Follow by Email

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Livro de Ouro da Poesia Brasileira - 2012


                                            Núbia Cavalcanti dos Santos
                                                                         
Sanharó / PE



Dias de profunda melancolia

Hoje, ao despertar de um sono agitado
Povoado por sonhos conturbados
Abri as janelas da minh'alma
E deixei que uma réstia de luz entrasse
Diminuindo a solidão cruel
E a aflição ímpar Que do meu ser tomava conta.

Senti a brisa suave da manhã
Que adentrava pela porta entreaberta
Trazendo o perfume inebriante das flores
Que desabrochavam lentamente
Formando um imenso tapete colorido
Acariciadas pelos primeiros raios solares
Que despontavam com a chegada da primavera.

Lá fora, o tempo corria ao léu
Transformando os segundos em minutos
Os minutos em longas horas
E as horas em dias de profunda melancolia
Enquanto que eu, do mundo me escondia
Tentando fugir da angústia e da solidão
Causadas por um amor que só me trouxe dor.

Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneos - vol. 93

                                        

                                    Núbia Cavalcanti dos Santos
                                                                    
Sanharó / PE

 
Adeus, solidão

Na busca incessante desse amor
Não medi as conseqüências dos meus sentimentos
Violei as leis do meu coração
Ignorando a voz da razão
Condenando-me à prisão perpétua
E o meu castigo foi viver na solidão.

Os anos foram passando lentamente
E eu, enclausurada na minha agonia
Perdi a noção do tempo
E tentei fugir da minha realidade
Agarrando-me às lembranças
Para não morrer de solidão.

Mas um dia, os meus sonhos adormecidos
Brotaram novamente
Alimentando o meu coração angustiado
E eu percebi que, no âmago do meu ser
A chama de um novo amor reascendia
Libertando-me da solidão em que eu vivia.

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

X Concurso Nacional PoeArt de Literatura – 2012


X Concurso Nacional PoeArt de Literatura – 2012

Inscrições de 10 DE JULHO A 20 DE AGOSTO de 2012
(Preferencialmente pela INTERNET ou pelos Correios)


   A PoeArt Editora (AGORA TENDO COMO PARCERA A HÍMPETO EDITORA DE SP) institui o X Concurso Nacional PoeArt de Literatura – 2012 (depois do sucesso dos   primeiros, que resultaram nas Antologias Poéticas de Diversos Autores, Vozes de Aço, do volume I ao volume XI e das Coletâneas Século XXI, volumes I, II e III ), para premiar autores de ambos os sexos, maiores de dezoito anos, amadores ou profissionais, somente residentes no país, na categoria: Poesia, em língua portuguesa, tendo como objetivo principal a descoberta de novos autores e o intercâmbio cultural entre os participantes.
  
   Ao efetuar a sua inscrição, o autor estará concordando com as regras do Concurso, e, se selecionado, autorizando a publicação dos trabalhos no livro Vozes de Aço – XII Antologia Poética de Diversos Autores – 2012. Em caso de cópia indevida e demais crimes previstos na Lei do Direito Autoral, será responsabilizado judicialmente.

Tema e Apresentação:
- O tema é livre.
- Cada autor poderá inscrever de três a seis poesias (versos livres ou poema com forma fixa), cada uma em uma página, inéditas ou não, máximo de até 30 versos cada – as que se excederem serão desclassificadas -, fonte Times New Roman, corpo 12, digitadas somente em um dos lados da folha, onde deverá constar o título de cada poesia. Não é necessário pseudônimo. Se for enviar pelos correios:
- Uma via de cada trabalho, no mesmo envelope, mais um CD com as poesias gravadas e uma foto de perfil recente em alta resolução.
- Em anexo um envelope menor, lacrado, sem qualquer identificação do lado de fora, contendo:
- Nome completo, nº do RG, nome do concurso, títulos dos trabalhos, endereço completo, dados biográficos
(no máximo dez linhas), telefone e e-mail.

- As obras que chegarem sem esses dados não serão consideradas inscritas.
- Todos os trabalhos enviados (selecionados ou não) serão incinerados, após a divulgação do resultado.

Forma de Inscrição:

  As obras deverão ser enviadas (preferencialmente pela INTERNET para: poearteditora@gmail.com) ou pelos correios, juntamente com o comprovante original do depósito, para: PoeArt Editora: Caixa Postal: 83967 – Cep: 27255-970 – Volta Redonda – RJ.

Premiação:

   Os cinco melhores poemas de cada um dos concursos serão publicados sem qualquer ônus no livro Vozes de Aço – XII Antologia Poética de Diversos Autores – 2012, e cada um dos cinco autores de cada concurso premiados receberão 3 exemplares da obra pelos direitos autorais, diploma e sua foto no livro.

  A partir do 6º trabalho selecionado, os autores serão convidados a participar do livro pelo sistema de cooperativismo.

APOIADORES CULTURAIS: Grêmio Barramansense de Letras, Academias de História e Letras de BM, TEATRO GACEMSS, A imprensa principalmente a escrita, Vitor Contabilidade, Gráfica Drumond, Deputado Federal Zoinho, Colégio Garra Vestibulares, Câmara Municipal de Volta Redonda, DENTRE OUTROS...

Jean Carlos Gomes / Organizador e Editor Contatos: 24 - 9993-0615 | 30750926 /33457252
 SOMENTE à Noite

E-mail: poearteditora@gmail.com http://poearteditora.blogspot.com

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneos - Vol. 92

                                       
 Poesia publicada na Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneos - Vol. 92
 Poesia publicada na Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneos - Vol. 92
 

                                          Núbia Cavalcanti dos Santos
                                                                        Sanharó / PE

Solidão atroz

Um dia, sob a mágica luz do luar
Juras de amor eterno nós fizemos
No auge da mais sublime paixão
E guiados pela voz do coração
Deixamos nos levar
Para um mundo de sonhos irreais
Que se dissiparam com a ventania
Como se fossem folhas secas
Espalhadas pelo chão
Após a fúria da tempestade.

Mas, de tanto amor vivido
Restaram somente as lembranças
Que permanecem ainda nítidas
Povoando a minha mente
E invadindo os meus sonhos
Sempre que a noite chega
Trazendo com ela a calmaria
E a saudade corrói minha alma
Dilacerada pela solidão atroz
Que insiste em não querer partir.