Follow by Email

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Antologia "1ª Seleta de Versos da L.A.L.B." - Edição Especial - 2014.


Núbia Cavalcanti dos Santos
Sanharó / PE


Doce desejo
Doce é o sabor dos teus lábios
Quando toca os meus com ardor
Reacendendo em minh’alma o desejo
De entregar-me a cada beijo
Saciando a paixão incontrolável
Que do meu ser se apodera.

E quando a noite desponta
Trazendo a brisa suave
E a lua no céu aponta
Reluzente e cheia de magia
Os nossos corpos se fundem em um só
E o nosso amor se consuma.

E é assim que o nosso amor
A cada dia se renova, se inova...
E a nossa felicidade transborda
Assim como correnteza de um rio
Que corre serenamente ao relento
Em direção ao mar azul.

Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneos - Volume 111.

Núbia Cavalcanti dos Santos
Sanharó / PE

Preconceito, não!


Palavras que são ditas sem pudor
Refletindo a intolerância de certos indivíduos
Egocêntricos e desprovidos de amor
Com aqueles seres humanos
Onde a cor da pele e a classe social
Nega-lhes direitos e deveres
Concedidos a outrem de altas classes sociais
E excluindo-os do meio em que vivem
Incapacitando-os de exercerem a própria liberdade
Tornando-os escravos de sua ínfima condição
O negro e o pobre proletário.

Não podemos aceitar ou tolerar
Aqueles que agem de forma desumana
Ofendendo e denegrindo o nosso semelhante!

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Poesias Encantadas - VI.

NAÇÃO BRASILEIRA!

Vem para a rua...
Vem, Nação Brasileira!
Mostra a tua cara pintada
Com as cores da nossa Bandeira
Nessa luta que é minha, que é tua...
E grita em coro
Com a voz bem afinada
O tamanho da tua indignação
Pela falta de decoro
De alguns políticos canastrões
Mestres na arte de enganar
E o povo usurpar
São eles os grandes vilões
Que envergonham a nossa Nação!

Vem para a rua...
Vem, Nação Brasileira!
Vem para a rua protestar
Empunhando a tua bandeira
Não importa a tua idade
Não importa a tua cor
Nem tampouco a tua condição
E luta pela tua causa
Seja ela qual for
Defenda-a com a força do coração
Pois já não podemos mais calar
E mostra que a tua objetividade
É transformar esse imenso País
No País da igualdade!


Poesias Encantadas - VI.

AMOR OBSESSIVO.

Que queres tu de mim
Se nunca estás ao meu lado
Mas sempre que tento ir embora
Tu insistes em voltar novamente
Impedindo-me de voar livremente
E libertar-me desse amor obsessivo
Que só me traz sofrimento?

Por que não me deixas partir?
Sabes que será melhor para nós dois
Porque esse teu amor compulsivo
Está nos matando aos poucos
E jamais seremos felizes
Porque o verdadeiro amor liberta

Não sufoca, não escraviza.

Poesias Encantadas - V.

INGRATIDÃO!

Às vezes, paro e me pergunto
Se esse amor que sinto por ti é real
Ou se é somente uma doce ilusão?
Mas, como posso me enganar
Se o que sinto em meu peito é tão profundo
Que chego a passar mal
De tanto que dói o meu pobre coração
Por insistir em te amar?

E nessa confusão de sentimentos
Tento encontrar uma saída
Um jeito que me faça te esquecer
Arrancando-te dos meus pensamentos
E dando um fim ao meu padecer
Trazendo-me de volta à vida
E resgatando a felicidade que de mim fugiu
Quando o meu coração você feriu.

Sei que amor por mim não sentias
E que para ti nada signifiquei
Fui somente um capricho teu
E os meus sonhos pelo caminho eu os abandonei
E segui em frente, tentando por um fim
Nesse amor insano, que dentro de mim
Em solidão transformou os meus dias

E quase me enlouqueceu.

Poesias Encantadas - V.

CORAÇÃO DESPEDAÇADO.

Meu coração involuntário
De tanta desilusão sofrer
No caminho do amor se perdeu
E se transformou em vagabundo
Por não ter um amor somente seu
De tristeza vive a padecer
Como um pássaro solitário
Vagando pelo mundo.

Mas, quando chega o entardecer
E o sol pinta de alaranjado o vasto horizonte
A solidão minha alma invade
E as lembranças de um amor ausente
Surgem, trazendo consigo a saudade
Que me acolhe em seus braços
Acalentando o meu coração em pedaços

E embalando os meus sonhos, ao anoitecer.

Poesias Encantadas - IV

SAUDADE

Lá fora, a chuva cai
E eu, aqui sozinha
Perdida em meus pensamentos
Buscando uma resposta
Ou, quem sabe, uma explicação
Que me faça entender
O porquê e a razão
De um amor tão grande assim
Terminar tão de repente.

- Onde foi que eu errei?
Pergunto-me a todo instante.
Mas, não encontro resposta
Para tão grande desilusão
Enquanto sofro em silêncio
Sufocada pela dor incessante
Da saudade que minha alma invade
Como se fosse uma onda gigante.

Devassando o meu desiludido coração.

Poesias Encantadas - IV.

AMOR INSANO.

Hoje, eu quero gritar...
Quero essa dor extravasar
E todo o meu pranto derramar
Para não mais lamentar
Esse insano amor
Que dentro do meu peito
Entrou e se apossou
Sem ter nenhum direito.

Hoje, eu quero gritar...
E, para o mundo inteiro
Eu quero declarar
Que tu foste meu amor primeiro
E, talvez, o derradeiro
Pois só trouxeste dor
Para este coração sofredor
Que só quis te dar amor.

Hoje, eu quero gritar...
Quero chorar meu desengano
Até adormecer ao relento
Sob o azul do firmamento
E, na manhã seguinte, despertar
Imaginar que tudo foi engano
E que um novo amor há de chegar
E, em meu coração, desabrochará.

Antologia de Poetas Brasileiros Contemporâneos - volume 110.




Núbia Cavalcanti dos Santos
Sanharó / PE

Jamais te esqueci

Abri as portas do meu coração
E desnudei minh’alma
Para que um novo amor pudesse entrar
Expulsando a solidão
E ocupando o seu lugar
Que há muito tempo está vazio.

Mas ao cair da noite fria
Soprou uma brisa traiçoeira
Trazendo em suas asas sorrateiras
Lembranças de dias de alegria
Que um dia ao seu lado vivi
E que jamais esqueci.

E mais uma vez
Senti que seria em vão
Tentar esquecer esse amor
Porque o meu coração
Insiste em te querer outra vez
Porque não vive sem teu amor.